Virtualidades


Hamas.. e agora?

Com a vitória dos radicais do Hamas na Palestina, o campo da paz saiu derrotado no sufrágio palestiniano. O Hamas, responsável por milhares de mortes em Israel, e considerada uma organização terrorista pela União Europeia e Estados Unidos vai ser agora o responsável pelo governo da Palestina. A hipótese, remota de abandonarem as armas e enveredar pelo caminho da negociação política é uma ténue esperança para a paz. Pode ser que o peso da responsabilidade de governar altere a forma destes senhores verem o mundo. Se querem ser interlocutores válidos tem que reconhecer o Estado de Israel e abandonar a luta armada. Se assim não for, o mundo ocidental tem que repensar o seu apoio a este governo.

19 Responses to “”

  1. # Blogger Pedro

    Pode ser que o Soares queira ir conversar com estes terroristas que agora estão no poder da Palestina... Não foi ele que avançou com essa teoria?  

  2. # Anonymous Nuno Pires

    Meu caro,

    A Paz saiu derrotada há mt tempo no mundo israelo-àrabe.
    E se n é mentira k o Hamas é responsável por inúmeras mortes em Israel, n é menos verdade k o Governo, "ocupacionista" e prepotente, Israelita é responsável por mtas milhares de mortes entre o povo Palestiniano.
    Claro k as negociações de paz serão mt mais dificil, mas a verdade é k foi o próprio Governo Israelita k, hoje mm, anunciou k nunca negociaria com o Hamas.
    N se confundam os meus principios, n sou, nunca fui,nem nunca serei a favor de nenhum tipo de terrorismo. Mas n se iludam akeles k pensam k o terroristas são apenas akeles k se fazem explodir no meio de uma multidão.
    É claro k tb o Hamas e o Governo Palestiniano n têm interesse em dar seguimento a este tratado de paz/acordo económico, pk n é mais do k isso, um negócio de salvaguarda e interesses k tem por acessório a paz nesta zona do mundo tão contorbada. E é fácil entender o pkê do n interesse deste novo Governo Palestiniano n concordar com o actual processo de paz/acordo económico...Sempre ouvi dizer k "Um bom negócio é um negócio k satisfaz ambas as partes.", acho k está td dito.
    Além disto, é públicamente reconhecido e assumido o apoio dos EUA a Israel, apoio esse de intenções mt dúbias, ou melhor, esse apoio de dúbio nd tem, é claro e transparente k esse apoio, mais uma vez, acenta em interreses meremente económicos e militares. E já sabemos o resultado de tão promiscuas relações dos EUA.Para kem n sabe e gostaria de ficar esclarecido, recomendo vivamente k vejam o documentário internacionalmente premiado pela critica, e de reconhecida veracidade factual, "Fahrenheit 9/11" de Michael Moore. Este Documentário n versa sobre Israel e o conflito israelo-àrabe, documenta sim o 11 de Setembro de 2001 nos EUA e tudo o k se relaciona com esse acontecimento. Mm assim é suficiente para dar a conhecer (akels k n conhecem, k espero k sejam poucos)a promiscuidades das relações dos EUA com os Governos Médio Oriente.

    Sem mais,

    Abraço,
    Nuno Pires  

  3. # Blogger Rui Afonso

    E pronto! Tardou, mas começou... O Sr. Nuno Pires está a fazer o que toda a Esquerda fará, não tarda, quando recomeçar o terror no Médio Oriente. Lavam-se as mãos dos terroristas palestinianos, esses combatentes da justa guerra santa, eternos mal-tratados e incompreendidos, pois é tudo culpa dos porcos, feios e maus capitalistas que concentram o seu monopólio usurpador das liberdades democráticas mundiais e individuais em Washington. Haja dó!  

  4. # Blogger Marcos Couto

    oh Nuninho sim sim... pensas que isto é assim.. reconhcer Israel e a Luta Armada... já agora pq é que não baixam as calcinhas e se poem de 4.

    Pq é que Israel não dpoe as armas também... alias depor armas é cena do Bloco de esquerda... Nuninnho sinceramente nuca pensei... tu Bloco....


    Marcos  

  5. # Blogger Marcos Couto

    Vá Nuninho tou a brincar...
    Olha parabéns pelo Blog a ti e aos teus comparsas...  

  6. # Anonymous Anónimo

    Os comunas (ou esquerdistas) com o Sr. Nuno Pires ou o Sr. Marcos Couto sabem-na toda...a violência sendo de esquerda é toda desculpada...são todos uns coitadinhos que não têm outro meio que não as armas...têm de combater os pobrezinhos...já os países ocidentais tÊm de compreender as tristezeas do mundo árabe ou africano ou asiatico...só não percebo porque razão não vão estes gajos para esses paraísos do oriente ou ásia...inde...deixem-nos em sossego.  

  7. # Anonymous Anónimo

    Aliás...se qq um de nós tivesse de escolher enviar a nossa filha para um destes países, Irão, Palestina, ou Israel...onde a enviavamos?  

  8. # Blogger Nuno Gouveia

    Agradeço que os comentários aqui colocados sigam as regras éticas do debate saudável, sem recurso a metáforas de mau gosto ou de textos de dificil leitura. Em relação a este assunto, a esquerda sabe sempre perdoar aos seus terroristas. Sejam eles das Brigadas Vermelhas, sejam da ETA ou do Hamas. O que eles não percebem é que o terrorismo não tem ideologia... O totalitarismo é o recurso dos bárbaros.  

  9. # Anonymous Pedro Monteiro

    Meus caros amigos, como e costume este post, como a maior parte dos textos publicados neste blog prima por uma análise extremamente cuidada e isenta de parcialidade... Pronto, para quem comecou a sentir indicios de uma apoplexia eu aviso já que estava a ser sarcástico. Esta discussão nem deveria ter sido iniciada. Comecemos pela questão do desarmamaento. O hamas foi criado em finais da década de 80 para contrariar o poder da Fatah no seio da Palestina. Quem os forneceu? A Mossad (isto faz parte do dominio publico, portanto nao comecem a agitar o fantasma dos delirios dos esquerdistas, o que por sinal não vos fica nada bem). A solução é simples, apresentar os recibos e pedir as armas de volta alegando atraso nos pagamentos.
    Segundo ponto: não gosto e nunca gostei do Hamas, como corrente do integrismo islamico. No entanto na tradicional divisão ideológica de esquerda direita este tipo de movimento representa a direita mais reaccionaria. Foram durante anos os melhores aliados dos EUA e Israel no combate ao que era entao apelidado de imperio sovietico( nessa altura a sharia o terrorismo e coisas desse genero constituiam elemento de somenos importancia). Quando mentes brilhantes como as do senhor Ribeiro e Castro identificam o terrorismo como um fenomeno de esquerda, inclusive na sua genese ideologica marxista-leninista, urge relembrar as Falanges, os mujahedin e afins ( não falo do terrorismo de Estado dos EUA e ISrael porque tenho medo que me apelidem de anti-americano militante, não obstante constituirem os únicos países acusados desse mesmo crime pela ONU pelas suas acções contra a Nicarágua e Palestina respectivamente).
    Compreendam de uma vez por todas que não estamos a falar de dois estados em pé de igualdade ( um deles nem estado é), muito menos no plano da justiça e do direito internacional.
    Não espero neste blog resposta a qualquer um destes assuntos porque a mesma não seria mais do que uma afirmação chauvinista e barroca dos ideais democráticos dos autores, contra a barbárie do terrorismo.
    Nem sequer coloco questões como o direito do povo Palestiniano ao seu próprio território. Isso agora não interessa. A cruzada contra o terrorismo, isso sim. Desculpem me a virulencia mas só um idiota não consegue perceber que o objectivo não é acabar com o terrorismo. Nunca foi. Não são as questões éticas ou morais que movem os estados, muito menos os paladinos da democracia. O problema do 11 de Setembro é exactamente esse. Constituiu um ataque ao eixo central do sistema e funcionou apenas como elemento aglutinador em torno de uma politica expansionista. A América do Sul será certamente o próximo cliente. Já agora, se promovessem de facto o debate neste blog e não se limitassem as afirmacoes panfletarias e bacocas so tinham a ganhar. Não da grande vontade de discutir com seres pretensamente omniscientes...


    P.S. visitem o vermelhoazul.blogspot.com Nao e grande coisa, mas pelo menos existe debate.  

  10. # Blogger Nuno Gouveia

    Este não é um blog imparcial nem isento, por isso não é passível de criticar-se a tal falta de imparcialidade que o Pedro Monteiro refere. A crítica da esquerda mais conservadora costuma ser efectuada de forma verdadeiramente avassaladora. Como tal, quem pensa o contrário ou é ingénuo ou idiota. A esquerda bem pensante é sempre superiora, e nem pensa que pode estar errados. Vejo bem que não é apenas o Francisco Louça ou os seus seguidores que agem desta forma.
    Os EUA são sempre a semente do mal... Neste caso, é curioso que refiras que foi a Mossad que criou o Hamas. Isto não é do domínio público porque simplesmente é mentira. Se tivesses informado melhor, saberias que esse foi apenas um argumento que a Fatah utilizou na luta política contra o Hamas, e que se provou ser mentira. E é verdade que representa a direita reaccionária e totalitária que eu também critico. O Dr. Ribeiro e Castro errou quando afirmou que o terrorismo era meramente um fenómeno da esquerda. Existiram muitos movimentos de direita terroristas. O tal terrorismo de estado que falas também se poderia aplicar ao que a URSS fez em muitos países, tal como no Afeganistão ou na Europa de Leste. A invasão da Hungria em 1956 ou a invasão de Praga em 1968 nada mais foi do que a ingerência nos assuntos internos daqueles países, já para não falar da forma como foram instituídas as democracias “populares” no leste europeu pós guerra. Todos sabemos como os comunistas implantaram os seus “lacaios”, afastando as correntes democráticas. A Palestina tem direito a ser um estado, como reconhece amplamente a comunidade internacional, e tens que admitir que a vitória do Hamas foi um passo atrás nesta luta. A Fatah representava nestas eleições o campo da paz, mas espero que o Hamas possa caminhar para este lado, desistindo da luta armada. É curioso que digas que a América do Sul é o próximo cliente do “imperialismo” americano. Certamente estás a favor das políticas do Chavez ou do “cocalero” Evo Morales, que defende, entre outras coisas muito interessantes, a legalização da planta da coca. A democracia tem destas coisas, e como tal, as pessoas dão a vitória a quem desejam. Felizmente é assim que acontece, porque nos regimes totalitários ou repressivos que alguma esquerda defende, ganham sempre os mesmos. Em Cuba, Fidel Castro, ganha sempre… A oposição só perde…  

  11. # Anonymous Pedro Monteiro

    Hum... brilhante...Suponho que a Alexandra Lucas Coelho seja uma fervorosa adepta da Fatah pois ela própria assina um artigo, publicado na semana anterior no Público onde refere isso mesmo. Obviamente que o que o que foi aqui escrito limita-se simplesmente a constatar um facto: a mossad contribuiu e impulsionou a criação do Hamas. Não quer dizer que as raízes desse mesmo movimento não se encontrassem já na sociedade palestiniana. Foram vários os antigos responsáveis da Mossad que corroboram este facto.
    Quanto ao terrorismo de estado... Eu sei que o meu caro amigo gosta de relembrar este facto a todo o instante, mas a URSS desagregou-se há mais de uma década. Quanto tempo mais a justificar os erros dos EUA com os de um inimigo há muito desfeito... Analisemos o percurso dos EUA no combate ao terrorismo. Limite-se a análise aos últimos 5 anos (não me apetece falar dos bombardeamentos da ex-jugoslávia com urânio empobrecido). A utilização de partículas de fosforo branco ou de munições de fragmentação nos "laboratórios" do Iraque e do Afeganistão são exemplos muito claros da política incendiária que tem a sua extensão ao campo militar muito bem exemplificada nestes exemplos. Por um lado os senhores enterram o comunismo, dão-lhe a extrema unção e depois acaba por servir de contra-argumento para as barbaridades yankees. Os EUA constituem hoje a única potência à escala mundial, com um domínio hegemónico. ISto é óbvio. Agora, assumindo e apregoando esta hegemonia no plano moral obviamente tem de se justificar...
    Isto é só um pequeno exemplo. O desrespeito pelas organizações internacionais? A violação do principio da soberania dos estados? A intromissão nos assuntos de outros estados?
    O cerne da questão radica na necessidade de encontrar sempre um inimigo, real ou imaginário de forma a justificar moralmente aquilo que não tem justificação. Mas obviamente isto constituem tudo argumentos radicais e esquerdistas. Facilidade espantosa com que trocam o pragmatismo pela moral e vice-versa.
    Quanto a provocacao sobre o terrorismo de estado da URSS. É obviamente condenável... Agora se não se importam:
    - Chile
    - Colombia
    - Uruguai
    - Argentina
    - Nicarágua
    - El Salvador
    - Haiti
    - Vietname
    - Cambodja
    - Bolívia
    - Sudaão (bombardeamento de uma fábrica de medicamentos por retaliacao aos atentados de nairobi).
    - Cuba
    - Laos
    Não vou continuar. O que têm em comum? Alguns foram bombardeados, outros foram alvos de acções contra subversivas desferidas contra governos democraticamente eleitos. Tudo isto levado a cabo pelas forças norte-americanas. Para sua extrema infelicidade o rol da URSS não é sequer comparável a esta lista memorável. Aconselho a leitura das obras de Henry Kissinger ( prémio nobel da PAZ,o que demonstra a imaprcialidade da atribuição deste prémio).
    Não vou agora falar do apoio mais ou menos explícito dos EUA a "democracias musculadas" como as de Portugal salazarento, da Espanha Franquista, da democrática Indonésia de Suharto, do Iraque de Saddam "Amigo ou inimigo" Hussein. Não vale a pena continuar...

    P.S. Quanto a cuba de fidel castro e a questao da America Latina. Com o historial Yankee não é de esperar outra coisa que não a intromissão no destino destes povos ( o que já aconteceu em Abril de 2002 da Venezuela). Por favor, não ponham Evo Morales e Chavez no mesmo saco. Chavez fez mais pela Venezuela e pelo seu povo em 7 anos que os oligarcas apoiados por Washington durante dois século( verficem as estatisticas, nomeadamente a evolução do IDH no país). Se calhar por isso vence eleições consecutivamente. Condoleeza Rice não deve demorar muito a vir declarar a insanidade colectiva do povo Venezuelano (a democracia Yankee tem destas coisas ou não fosse Pinochet um democrata dos sete costados). Quanto a Cuba, se não é indiscrição, e fico me por aqui. Porque o embargo? E menos democrata que a Arábia Saudita, Jordânia, Egipto, que a própria China? As violações dos direitos humanos são em numero superior às registadas na Nigéria ou no Paquistão? Já agora, em Cuba os prisioneiros não são submetidos a tortura nem estão presos indefinidamente, sem acesso a advogados... Quer dizer, minto. Em guantanamo de facto isto acontece... Viva a democracia ( ou será plutocracia?)... Bah...  

  12. # Blogger Nuno Gouveia

    Em relação ao Hamas, suponho que tenham sido os próprios EUA que criaram o Hamas… Se Alexandra Lucas Coelho o diz, então tem que ser verdade.,, Vocês acreditam em tudo que vos impingem. O xeque Yassin, o fundador do Hamas em 1987, era um peão da Mossad. Aliás, os serviços secretos de Israel foram também os responsáveis pelos atentados do 11 de Setembro, pois também li pessoas respeitáveis no Médio Oriente a defenderem isto.
    Os erros dos EUA…. Será que existe algum estado que não tenha os seus erros? Alguma democracia impoluta? O comunismo foi responsável por milhões de mortes, tal como a grande fome da Ucrânia na década de 30, as purgas da década de 30 e 50, a revolução cultural na China, o fantástico Pol Pot, e os seus 2 milhões de mortes, e se queremos falar em “pequenos” crimes, podemos falar nos 17 mil assassinados pelo regime de Fidel Castro. Eu sei que vocês não gostam dele, mas aqui fica uma citação de Gregory McNamee sobre o Livro Negro da vossa ideologia.. E é factual, apesar de alguns possíveis erros, como é evidente:
    Communism did kill, Courtois and his fellow historians demonstrate, with ruthless efficiency: 25 million in Russia during the Bolshevik and Stalinist eras, perhaps 65 million in China under the eyes of Mao Zedong, 2 million in Cambodia, millions more Africa, Eastern Europe, and Latin America--an astonishingly high toll of victims. This freely expressed penchant for homicide, Courtois maintains, was no accident, but an integral trait of a philosophy, and a practical politics, that promised to erase class distinctions by erasing classes and the living humans that populated them. Courtois and his contributors document Communism's crimes in numbing detail, moving from country to country, revolution to revolution. The figures they offer will likely provoke argument, if not among cliometricians then among the ideologically inclined. So, too, will Courtois's suggestion that those who hold Lenin, Trotsky, and Ho Chi Minh in anything other than contempt are dupes, witting or not, of a murderous school of thought--one that, while in retreat around the world, still has many adherents. A thought-provoking work of history and social criticism, The Black Book of Communism fully merits the broadest possible readership and discussion. --Gregory McNamee”
    Se quiseres ler outro interessante livro sobre o teu regime favorito aconselho-te o livro de Anne Applebaum “Gulag A history”ou então um de um russo falecido recentemente, Alexander N. Yakovlev, “Um século de violência da Rússia Soviética. Referi estes dois autores porque não são certamente fervorosos adeptos dos EUA.
    Em relação aos supostos crimes americanos, o crime em Cuba foi ter apoiado um bando de exilados na baia dos Porcos? No Haiti foi ter deposto um ditador sanguinário para o seu povo? No Cambodja deve ter sido apoiar vosso amigo Pol Pot. Já agora referiste que muitos destes países eram democracias. Certamente não seria Cuba, Laos, Cambodja, Haiti, Sudão ou Vietname. A verdade é que nenhum destes países eram democracias, exceptuando o caso do Chile, que foi o único país do mundo que elegeu verdadeiramente um governo comunista. Poderias ter acrescentado os crimes cometidos pelos EUA na Alemanha, na França, no Japão, na Coreia… já que parece que para ti, as intervenções militares americanas são todas criminosas. Já agora, qual seria o interesse de Bill Clinton em 1993, quando decidiu mandar tropas para Mogadíscio, ao abrigo da ONU, para colocar um travão aos selvagens militares que grassavam no país? Se a esquerda ridícula que temos não os tivessem criticado tanto por esta intervenção, falhada diga-se, no ano seguinte poderiam ter intervido no Ruanda e evitado o massacre. E se tivessem intervido mais cedo na Jugoslávia (claro que foste contra), poderia ter-se evitado os 500 mil mortos desta guerra, muitas destas mortes provocadas pelo sanguinário Milosevic, que certamente defendes.
    Agora estou com pouco tempo, mas temos que debater esta questão do imperialismo americano. As coisas não são assim tão simples como as descreves, mas voltarei ao tema brevemente.  

  13. # Anonymous Pedro Monteiro

    De facto nós acreditamos em tudo o que ouvimos. Mas não fomos "nós" que acreditámos nas armas de destruição massiva, nem na retórica que acompanhou todo o processo de preparação na Guerra no Iraque.Fico me por aqui no que diz respeito a participação neste blog. Os argumentos introduzidos na discussão são imediatamente catalogados. Os que detêm validade e os que são desprovidos da mesa. Leia-se os que tu utilizas e os que os contradizem. Não vale a pena. É grosseira a discrepância entre os epitetos atribuidos a Milosevic e a passividade em relação a senhores como Sharon. Só falta mesmo exigir a atribuição do Nobel da Paz ao homem a título postumo. E doentio maniqueismo empregue nas tuas análises...Quanto a Milosevic não se trata de defender ou deixar de defender, so questiono a ambiguidade de criterios utilizada na sua condenacao. Ja agora, porque sera que os States se recusam a ver os seus oficiais julgados no TPI?
    Já agora, há contradicoes insanaveis. Afirmas que Pol Pot era um genocia.Totalmente de acordo. Logo depois afirmas que os EUA e a CIA apoiaram Pol Pot. E sabes porque? Porque os comunistas vietnamitas invadiram o territorio cambojano para evitar a matança generalizada que estava a ser levada a cabo. Que fizeram os nossos amigos e protectores? Isolaram o governo pro vietnamita e continuaram a financiar e a apoiar o Khmer Rouge... Ai esta a defesa dos direitos humanos. Bahh, e nos que acreditamos em qualquer coisa que nos impingem...

    P.S. Sobre as grandes fomes na Ucrania, procura um artigo de um jornalista sueco sobre William Randolph Hearst, e pode ser que aprendas alguma coisa. Esse mesmo senhor que e o alvo subentendido de Citizen Kane... Outra coisa, dizeres para ler o livro negro do comunismo e a mesma coisa que eu mandar te ler o avante! A diferença e que um assume-se como elemento de propaganda e agitação. O outro esconde se na carapaça da imparcialidade. Ja agora essa conversa contra todos os totalitarismos ja enjoa. E nao cola com quem conheca minimamente a historia.  

  14. # Blogger Nuno Gouveia

    Só me apetece rir... EUA apoiaram Pol Pot? A fome na Ucrãnia foi uma invenção? O Livro Negro do Comunismo foi escrito por perigosos radicais de direita?Stéphane Courtois pode ser comparado ao sr. Casanova? O Livro Negro do Comunismo é propaganda? A referência ao apoio a Pol Pot era pura ironia, talvez não a tenhas percebido. Afirmar que os EUA apoiaram os Khmers Vermelhos é do mais imaginativo que existe.. e nada mais falso. Os apoiantes dos Khmers eram outros, como sabes. E William Randolph Hearst, o que é caricaturado no Citizen Kane, foi de facto o fundador da penny press e grande manipulador da comunicação social americana no fim do século XIX, conjuntamente com outrs senhor, Pulitzer. Mas o que é referido no filme sobre a guerra entre Espanha e EUA não é totalmente verdade, como sabes. Agora, não sei o que insinuas em relação a esse jornalista sueco. Não consigo chegar a ele, sem o seu nome. Já agora, no final do ano passado saiu o Livro Negro de Cuba, editado pelos Reporteres Sem Fronteiras. Serão também estes uns perigosos propagandistas de direita?  

  15. # Blogger Pedro

    Podes rir a vontade. Aconselho um livro seriamente... The New UN Peacekeeping... Um livro sobre as missões de manutenção da paz da ONU. Procura no amazon... la explica o apoio da China e dos EUA ao Khmer Rouge... Isto aquando da estranha aliança China-EUA(e não insistas nessa de apelidar de falso tudo aquilo que te apetece...pra isso ia me confessar, e que de verdades absolutas ta a igreja cheia, nao me parece que seja esse o objectivo do blog) Peço desculpa por nao ter indicado o nome... O nome do jornalista por incrivel que pareça e ... Mario Sousa, de ascendencia portuguesa. Mas como isso pode parecer suspeito recomendo o ensaio de um jornalista do Canadá sobre o mesmo tema: "Fraud, Famine and Fascism, The Ukrainian Genocide Myth from Hitler to Harvard" Douglas Tottle.


    P.S. Sabias que tambem existe um livro denominado " O livro Negro do capitalismo"? Editado pela Campo das Letras... Eu não li nem um nem outro, mas obviamente nenhum deles pretende ser um ensaio histórico... E faz me um favor, a seguir a isto nao invoces o Francois Furet e o Ernst Nolte, e que ja so faltam esses...  

  16. # Blogger Nuno Gouveia

    Obrigado Pedro por dizeres o nome do Jornalista.. Vou tentar ler o artigo que referes.. Mas olha que fiz uma rápida pesquisa sobre o livro que falaste e vi isto no http://en.wikipedia.org/wiki/Holodomor:An example of a late-era Holodomor objector is Canadian journalist Douglas Tottle, author of Fraud, Famine and Fascism: The Ukrainian Genocide Myth from Hitler to Harvard (1987). Tottle claims that while there were severe economic hardships in Ukraine, the idea of the Holodomor was fabricated as propaganda by Nazi Germany and William Randolph Hearst, to justify a German invasion. Tottle is not a professional historian and his work did not receive any serious attention in the historiography of the subject.. Mas vou tentar saber alguma informação sobre a teoria, que aliás desconhecia. Sobre o apoio dos EUA aos Khmers Rouge, bem sei que é improvavél, mas vou tentar informar-me melhor.. Sabes, há alguns historiadores que negam o holocausto nazi, e estes também publicam livros e tem algum crédito na legião de seguidores nazis... David Irving é um exemplo disto que estamos a falar.. Por acaso já li um livro dele e é terrivel.. Cada um acredita no que quer acreditar, mas acho que temos que manter espirito aberto....  

  17. # Blogger Marcos Couto

    Oh zequinha o GRANDE LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO é mesmo O CAPITAL de Marx e Engles... esse sim explana ponto por ponto e de um ponto de vista económico-cientifico as contardições do sistema capitalista... agora esses artigos modernos de livros negros ou livros vermelhos, ou laranjas ou azuis... bah... limitam-se a apresentar dados e factos hsitóriocos de acções feitas em nome do comunismo ou do capitalismo... Mas como qualquer hsitoriador ou arqueologo sabe todos os dados e factos podem ser alterados ou forjados quer dum lado quer do outro... não é por se constatar uma crise de fome na URSS ou em Nova York (alias ouvi dizer que existem pelo menos 1 milhao de pessoas em NY que recorre à sopa dos pobres) que se pode dizer: "ah isto é fruto das politcas comunistas ou capitalistas". Muitos outros factos inferem em crises alimenticias... a história não é uma ciência exacta... a história é feita por dados cientificamente trabalhados mas que não deixam de ser hipoteses interpretativas de um determinado facto


    Marcos Couto  

  18. # Anonymous Pedro Monteiro

    Obrigado Marcos, por relembrares qual a validade desses dois livros. Quanto a questão da Ucrania e so para demonstrar que as coisas nao sao tao lineares como se pintam... Eu nao conheco a reputacao do tal Todd, so estou a tentar explicar que numa situacao de divisao ideologica profunda como a da Guerra Fria ha obviamente manipulacao e distorcao de informacao. Por exemplo, senhores como o autor do "arquipelago do gulag" que foram considerados grandes democratas foram na decada de 70 opositores a transicao democratica espanhola e assumiram posicoes se nao fascistas muita proximas. O mundo não é a preto e branco...  

  19. # Blogger Marcos Couto

    Ora essa zequinha tamos aqui uns para os outros... manipulação e distorção... e dou-vos um exemplo muito simples aqui bem no nosso Portugal... e não é de um livro... é de uma estrutura patrimonial... aquele palácio lindissimo em Guimaraes que todos nós na escla ja fomos visitar e que sempre nos foi dado como sempre com aquela morfologia era até à muito bom pouco tempo uma casa torre de um piso e de aparelho bastante grosseiro... contudo as grandes reformas de Salazar construiram em cima desse aquele belo palácio que vemos hoje... é qque a manipulação não é só em factos ou histórias é o obvimento tasmbém em algumas "coisas" materiais que nos rodeiam...


    Marcos  

Enviar um comentário

Links to this post

Criar uma hiperligação


Web This Blog

Blogues




© 2006 Virtualidades | Blogger Templates by GeckoandFly.
No part of the content or the blog may be reproduced without prior written permission.
Learn how to make money online | First Aid and Health Information at Medical Health